Menu

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Último dia de Brasil!

O sumiço dos últimos dias é porque estamos em uma correria louca. Tentamos nos organizar direitinho para ficarmos tranquilos na reta final, mas não tem jeito: sempre surgem uns imprevistos (como roupa pra lavar, cartão para desbloquear e remédio para comprar).

Estamos animados e felizes - e calmos. Consegui dormir direitinho na última noite. Acho que é porque estamos nos preparando há tanto tempo (um ano e meio) que sentimos que está tudo sob controle. Ou pelo menos que fizemos tudo que era humanamente possível.

45 kg no total. Só que 12,5 são só da I. Reparem na Lud ali atrás, para ajudar a dimensionar os tamanhos. 
Lembrando que ela é hobbit-sized. 
Hoje fomos à farmácia adquirir uma pilha de remédios (passamos a lista depois) e estamos fechando as malas. Vamos levar uma pequena, uma média e a mochila (já com as roupinhas frescas do Sudeste              Asiático). Eu estava achando que era demais, e resolvi desfazer a malinha para selecionar melhor meu guarda-roupa de viagem, mas depois que tirei tudo lá de dentro em 15 segundos, me convenci que estava sendo muito razoável!

Estamos levando também uma mala para a irmã I., com umas encomendas dela (pipoqueira!), mas essa nem conta porque vamos entregá-la rapidinho. 

À meia-noite vamos estar dentro do avião. Uma ótima passagem de ano para todos. Feliz 2013!

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Brasília: do que sentiremos falta - ou não

Foram 2 anos e 3 meses e 22 dias de Brasília. Nesse período de tempo aprendemos a gostar muita da cidade. É uma senhora capital. Tem problemas? Sim. Mas para quem tem condições de morar no Plano Piloto, eu diria que é uma cidade totalmente diferente das demais do país. Está mais para uma cidade de primeiro mundo...

Prédio do apê antigo
De cara, ao nos mudarmos para Brasília, o que saltou aos olhos é o tanto de área verde que a cidade tem: áreas abertas e muitas árvores. 

Como o Plano é tombado (patrimônio mundial), não existem construções novas, só uns poucos prédios em quadras ainda não totalmente ocupadas. E há limites de altura para os prédios. Isso encarece de forma assustadora o custo de moradia. Em contrapartida, você passa a viver em uma cidade totalmente consolidada. Não vai aparecer amanhã um prédio gigante do lado da sua casa, aumentando exponencialmente o número de carros e vizinhos. 

Por mais que as pessoas daqui falem do trânsito, violência, problemas de saúde e transporte público, eu digo que o Plano Piloto está há anos-luz das demais cidades brasileiras. Não que seja uma perfeição (nenhum lugar é).

Nunca me senti ameaçado ou inseguro no Plano. Sobre o trânsito, por mais que exista, é muito inferior ao de outras grandes cidades do Brasil. Comparado com BH então, nossa cidade natal, é uma diferença incrível. 

De novo, quem mora fora do Plano deve pegar um senhor trânsito para sair e entrar na cidade. Já nós, mesmo em horário de pico em dias de temporal, nunca gastamos mais do que 35 minutos para sair da Esplanda e chegar em casa.

Normalmente não gastamos nem 15 minutos. Isso no apartamento atual; no antigo, que ainda era mais perto do trabalho, a média de tempo era de 10 minutos. Em BH, tinha época que para sair da garagem do trabalho, na Av. Barão Homem de Melo, e conseguir fazer um retorno para descer a Av. Raja Gabaglia, eu eu demorava mais do que isso. Até chegar em casa então... E isso em 2004!

Outra coisa que amo em Brasília: as árvores. Como tem árvore - e como tem árvore diferente! Isso é sinônimo de belas paisagens, pois quase todos os meses ano algum tipo está florindo.

O parque da cidade é excelente para lazer. Poucas pessoas daqui reparam, mas também adoro a falta de fios em postes nas ruas de Brasília. Não existe a poluição visual dos fios. Junte isso com prédios baixos, muitas árvores e uma cidade plana e você tem sempre uma vista bonita. 

Ir trabalhar todo dia na Esplanada também fará falta. É um local muito bonito, com a Catedral, a Praça dos Três Poderes, o Congresso, o Itamaraty e o Palácio da Justiça. A gente se acostuma e esquece de como é bacana. 

Também vou sentir falta de sair de casa de short e chinelo para fazer compras no supermercado. Ninguém olha torto para você. Tenta fazer isso em BH!

E ir de zebrinha (o ônibus especial de vizinhança) para o trabalho? Fácil, rápido, barato (2 reais), passa com frequência e ainda tem a emoção de uma montanha russa (os motoristas adoram se jogar nas curvas). De novo, morar no Plano tem essas vantagens. Os ônibus para e de outros destinos devem ser mais complicados, como muitas outras cidades brasileiras.

Das coisas que não sentirei falta, começo pelo custo de vida, que é altíssimo. Mas tem que lembrar do que vem embutido neste custo, então acho que não dá para reclamar... muito.

A cidade não é muito amiga do pedestre e das bicicletas. Tudo aqui é feito para o carro. Uma vez, tentamos voltar do Hospital Regional da Asa Norte para a Esplanada a pé - é pertinho. Conseguimos mas foi uma aventura: não tinha calçada em vários pontos.

E, sendo Brasília, uma cidade plana, tinha que ter ciclovias, né? Mas não. Se você se arriscar a ir de bicicleta trabalhar, vai ter mais emoção do que com a zebrinha. Aqui a gente vê como é forte o lobby das empresas fabricantes de carro. É o futuro do país com base no automóvel, plano do JK. 

Não sentirei a menor falta do tratamento que muitas pessoas dispensam às outras. É uma coisa muito típica do Brasil, mas em Brasília fiquei horrorizado com a indelicadeza das pessoas em filas, supermercados, restaurantes. É raro ouvir na fila da padaria um "Boa tarde, você poderia me ver 4 pães, dos mais moreninhos, por favor? Muito obrigado". Não, a regra é: "4 PÃES! NÃO ESTES. QUERO OS MORENINHOS. HUMFF..." Sem contar o "eu posso ter, você não". Tem gente aqui que reclama que tem que chegar cedo no serviço porque até o faxineiro do prédio tem carro e tá difícil de achar vaga. E que o trânsito está um horror porque "todo mundo" pode comprar carro!

Acabou!!! 
Do que menos sentirei falta? Do trabalho. Não vou nem falar muito sobre ele... Afinal, acabou! Agora, o objetivo é curtir as festas de fim de ano e o encontro com os amigos, e relaxar nos próximos quatro meses. O que vem depois, a gente deixa para pensar mais na frente. 

Aproveito para desejar aos leitores ótimas festas e um excelente ano novo. E, claro, um 2013 cheio de viagens!

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Uma grande aventura

Agora faltam apenas 3 semanas!

Lud, gastando meio segundo para convencer o Leo a embarcar na aventura
E aproveitando a estréia mundial desta semana, me sinto como o Bilbo, convidado pelo Gandalf para embarcar em uma aventura. A única diferença é que não teremos que enfrentar um dragão no final. E minha companhia não é de 13 anões: só uma baixinha que amo muito e possui sozinha as qualidades de todos eles. E ainda é mais sábia que o o grande mago cinzento!

Este post é só para, além de comemorar, mostrar que somos nerds. E que mesmo os nerds podem e devem explorar o mundo.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Com quanta antecedência começar a planejar?

Com muita. Acho que uns cinco anos seria o ideal.

Ok, estou de brincadeira. Quanto antes começamos a planejar grandes mudanças de vida, melhor, mas também não precisamos exagerar. Nós tomamos nossa decisão com mais de dois anos de prazo - e aí, logo depois, perdemos a paciência e decidimos adiantar a data em quase um ano. O problema de bater o martelo com muita antecedência é que rola uma grande ansiedade (pelo menos com a gente foi assim).

Tecnicamente, talvez um semestre seja suficiente para se preparar direitinho. A primeira preocupação tem de ser as vacinas - se você pretende conhecer a Ásia, por exemplo, tem de tomar de hepatite A e B, e as duas são aplicadas em mais de uma dose, sendo que a última é seis meses depois da primeira. Passaporte e vistos também são providências importantes - melhor começar a investigar os processos e juntar a documentação com tempo de sobra.

Talvez o ideal seja se programar para ter tudo resolvido duas semanas antes da data final verdadeira. Porque imprevistos acontecem: o cartão atrasa para chegar na agência, o sistema não aceita a troca de senha, o hospital não recebe a vacina no dia marcado (histórias reais -  e todas aconteceram hoje). E se a sua partida está marcada para amanhã, a coisa fica muito feia.

Então, além de tempo, tem outro elemento importantíssimo nas preparações: paciência. Muita mesmo.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Como se livrar de todos os seus bens e gastar todo o seu dinheiro

Eu acredito que existam vários métodos, que incluem apostas em cavalos e tardes em bingos, mas a gente resolveu usar uma tática diferente: vender tudo e gastar viajando.

Para falar a verdade, no início tentamos preservar uma casa (e seu conteúdo) no Brasil. Mas rapidinho percebemos que as despesas envolvidas tornariam a aventura inviável. Pensamos então em deixar nossas posses em um guarda-móveis. E nos demos conta que não faria o menor sentido, nem financeira nem psicologicamente. Além do custo, fica  a preocupação: será que estão cuidando dos meus objetos direitinho?

Vencer a barreira psicológica de "não ter casa" foi um passo decisivo para nossos projetos saírem do plano dos sonhos e virarem realidade. Na vida, tudo é questão de escolhas: o que estou disposto a perder aqui para ganhar lá?

Não vou mentir: às vezes dá um frio na barriga. Mas queimar pontes atrás da gente (mudar do apartamento  grande para o quarto-e-sala mobiliado, vender todos os móveis, pedir demissão - o Leo - e licença - eu) também nos empurra para frente.

A única direção que nos resta é avante.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Roteiro para os primeiros meses

Quase tudo acertado para o primeiro trimestre de 2013. Já temos passagens para a Europa, da Europa para o Sudeste Asiático e um lindo apartamento alugado em Paris para Abril.

Aqui a nossa rota inicial.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Paris

Passar um mês durante a primavera em Paris e comemorar o aniversário da Lud? Agendado, reservado e pago!

O processo de seleção do apartamento envolveu meses de pesquisa em inúmeros sites, terminando com um campeonato mata-mata em os 24 melhores apartamentos.

Depois de uma tarde de overdose de fotos, resenhas, pesquisas e cabeça fundindo, finalmente tivemos um campeão. Depois colocamos mais informações sobre o apartamento vencedor.

domingo, 11 de novembro de 2012

Passagens compradas!

Estamos esperando desde julho baterem o martelo na duração da minha licença no trabalho. Depois de semanas de choro e ranger de dentes, passagens internacionais ficando mais caras a cada dia e nada de resposta, chutamos o balde e sacamos o cartão de crédito. Não importa se vou ter um, dois ou três anos de licença: fechamos a programação dos primeiros meses e pronto. Saímos do Brasil em primeiro de janeiro de 2013, 10 minutos depois do início do ano, com destino a Lisboa.

Já reservamos apartamento por dez noites na capital portuguesa. De lá vamos para Frankfurt encontrar minha irmã mais nova, levar a pipoqueira que ela encomendou e matar as saudades.

Comprar a passagem dá a maior emoção. Quer dizer que estamos indo mesmo!

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

A decisão. E o dinheiro para bancar a decisão.

Não dá para não tocar no assunto. Por mais que a pessoa seja econômica, possua amigos por todo o mundo, não se importe de ficar em lugares baratos e viaje de carona, dinheiro é fundamental para uma aventura como a nossa.

Não temos os números exatos de quanto deverão custar os três anos sabáticos explorando o mundo. Ainda mais com as inúmeras variáveis que entram na jogada, como alterações no câmbio, convites para se hospedar de graça, bicos que podem aparecer ou até mesmo um trabalho, local ou remoto.

O plano original era juntar um bom dinheiro todo mês para antecipar a aposentadoria. O sonho era poder chegar aos 50 e poucos anos, largar tudo e ir viver na Europa.

Como somos econômicos, sempre gastamos menos do que ganhamos. Uma hora tivemos um clique: e, se em vez de esperarmos os 50 e poucos, a gente fosse antes? Afinal, nunca se sabe o que o futuro vai trazer. Hoje não temos filhos - temos é saúde, vontade e disposição de nos aventurarmos.

Vambora?