Menu

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Brasília: do que sentiremos falta - ou não

Foram 2 anos e 3 meses e 22 dias de Brasília. Nesse período de tempo aprendemos a gostar muita da cidade. É uma senhora capital. Tem problemas? Sim. Mas para quem tem condições de morar no Plano Piloto, eu diria que é uma cidade totalmente diferente das demais do país. Está mais para uma cidade de primeiro mundo...

Prédio do apê antigo
De cara, ao nos mudarmos para Brasília, o que saltou aos olhos é o tanto de área verde que a cidade tem: áreas abertas e muitas árvores. 

Como o Plano é tombado (patrimônio mundial), não existem construções novas, só uns poucos prédios em quadras ainda não totalmente ocupadas. E há limites de altura para os prédios. Isso encarece de forma assustadora o custo de moradia. Em contrapartida, você passa a viver em uma cidade totalmente consolidada. Não vai aparecer amanhã um prédio gigante do lado da sua casa, aumentando exponencialmente o número de carros e vizinhos. 

Por mais que as pessoas daqui falem do trânsito, violência, problemas de saúde e transporte público, eu digo que o Plano Piloto está há anos-luz das demais cidades brasileiras. Não que seja uma perfeição (nenhum lugar é).

Nunca me senti ameaçado ou inseguro no Plano. Sobre o trânsito, por mais que exista, é muito inferior ao de outras grandes cidades do Brasil. Comparado com BH então, nossa cidade natal, é uma diferença incrível. 

De novo, quem mora fora do Plano deve pegar um senhor trânsito para sair e entrar na cidade. Já nós, mesmo em horário de pico em dias de temporal, nunca gastamos mais do que 35 minutos para sair da Esplanda e chegar em casa.

Normalmente não gastamos nem 15 minutos. Isso no apartamento atual; no antigo, que ainda era mais perto do trabalho, a média de tempo era de 10 minutos. Em BH, tinha época que para sair da garagem do trabalho, na Av. Barão Homem de Melo, e conseguir fazer um retorno para descer a Av. Raja Gabaglia, eu eu demorava mais do que isso. Até chegar em casa então... E isso em 2004!

Outra coisa que amo em Brasília: as árvores. Como tem árvore - e como tem árvore diferente! Isso é sinônimo de belas paisagens, pois quase todos os meses ano algum tipo está florindo.

O parque da cidade é excelente para lazer. Poucas pessoas daqui reparam, mas também adoro a falta de fios em postes nas ruas de Brasília. Não existe a poluição visual dos fios. Junte isso com prédios baixos, muitas árvores e uma cidade plana e você tem sempre uma vista bonita. 

Ir trabalhar todo dia na Esplanada também fará falta. É um local muito bonito, com a Catedral, a Praça dos Três Poderes, o Congresso, o Itamaraty e o Palácio da Justiça. A gente se acostuma e esquece de como é bacana. 

Também vou sentir falta de sair de casa de short e chinelo para fazer compras no supermercado. Ninguém olha torto para você. Tenta fazer isso em BH!

E ir de zebrinha (o ônibus especial de vizinhança) para o trabalho? Fácil, rápido, barato (2 reais), passa com frequência e ainda tem a emoção de uma montanha russa (os motoristas adoram se jogar nas curvas). De novo, morar no Plano tem essas vantagens. Os ônibus para e de outros destinos devem ser mais complicados, como muitas outras cidades brasileiras.

Das coisas que não sentirei falta, começo pelo custo de vida, que é altíssimo. Mas tem que lembrar do que vem embutido neste custo, então acho que não dá para reclamar... muito.

A cidade não é muito amiga do pedestre e das bicicletas. Tudo aqui é feito para o carro. Uma vez, tentamos voltar do Hospital Regional da Asa Norte para a Esplanada a pé - é pertinho. Conseguimos mas foi uma aventura: não tinha calçada em vários pontos.

E, sendo Brasília, uma cidade plana, tinha que ter ciclovias, né? Mas não. Se você se arriscar a ir de bicicleta trabalhar, vai ter mais emoção do que com a zebrinha. Aqui a gente vê como é forte o lobby das empresas fabricantes de carro. É o futuro do país com base no automóvel, plano do JK. 

Não sentirei a menor falta do tratamento que muitas pessoas dispensam às outras. É uma coisa muito típica do Brasil, mas em Brasília fiquei horrorizado com a indelicadeza das pessoas em filas, supermercados, restaurantes. É raro ouvir na fila da padaria um "Boa tarde, você poderia me ver 4 pães, dos mais moreninhos, por favor? Muito obrigado". Não, a regra é: "4 PÃES! NÃO ESTES. QUERO OS MORENINHOS. HUMFF..." Sem contar o "eu posso ter, você não". Tem gente aqui que reclama que tem que chegar cedo no serviço porque até o faxineiro do prédio tem carro e tá difícil de achar vaga. E que o trânsito está um horror porque "todo mundo" pode comprar carro!

Acabou!!! 
Do que menos sentirei falta? Do trabalho. Não vou nem falar muito sobre ele... Afinal, acabou! Agora, o objetivo é curtir as festas de fim de ano e o encontro com os amigos, e relaxar nos próximos quatro meses. O que vem depois, a gente deixa para pensar mais na frente. 

Aproveito para desejar aos leitores ótimas festas e um excelente ano novo. E, claro, um 2013 cheio de viagens!

10 comentários:

  1. Sabe, eu já tinha feito mais ou menos a mesma coisa com a cidade que moro atualmente, Fortaleza - CE.
    E engraçado, apesar de ser pequena, ela tem OS MESMOS PROBLEMAS de Brasília, com exceção do custo de vida, mas que também é alto.
    Olha, apesar de ser uma cidade turística o transporte público é indecente de ruim; e as pessoas também têm esse 'rei na barriga', principalmente quando se trata de lugares mais elegantes. Já vi vexame em caixa de delicatessen de uma senhora dizendo que a caixa era "retardada porque ela não era obrigada a responder 'bom dia' a pessoas como ela (caixa)", fiquei horrorizada; praticamente não existe calçada nas ruas; e mesmo as áreas turísticas mais famosas, tipo Praia de Iracema e shopping Iguatemi, têm esgoto a céu aberto.
    Em compensação são poucos os lugares no Brasil onde vc pode ir almoçar peixe frito na praia de frente pro mar, ou comprar camarão baratinho.
    Só não sei quão bom é isso, pq eu num sou lá muito fã de praia, já de camarão...

    Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, fiquei chocado com o caso da caixa.
      Na Nz, nos contaram de um Brasileiro que entrou na lanchonete e não foi atendido até dar o bom dia para o atendente. O brasileiro ficou com raiva, falou que ia reclamar com o gerente e a resposta do atendente foi:"o gerente é que mandou não te atender até vc me dar um bom dia". Mas quem sabe chegamos lá um dia?

      Excluir
  2. Eu moro fora do plano e a minha Brasília é MUITO diferente da tua. Árvore? O que são árvores? Transporte bom? Se não fosse o metrô nem sei o que seria de mim. Odeio esse lugar e tô morrendo de vontade de poder ir embora (preciso terminar o mestrado). Não vou sentir saudades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniela, nossa kitnet vagou. Se animar a mudar para ela, é só falar que passamos o contato da proprietária. O lugar é muito bom.
      E o mestrado vai até quando?

      Excluir
  3. Obrigado,desejo pra vc e a Lud boas festas e um FELIZ 2013!! e viagens, viagens!!!

    ResponderExcluir
  4. Aqui em Porto Alegre eu noto a mesma coisa sobre o tratamento das pessoas. Até comento que se alguém chegar em uma padaria da França e falar do jeito que fala aqui (3 pãezinhos, sem nem bom dia, nem por favor, nem obrigado) o atendente não vai nem olhar para ele. E depois a criatura vai dizer que o francês é que é muito mal educado. Sobre a questão do carro é tudo igual, a classe média não quer perder seus privilégios.

    Eu já passei alguns períodos longos em Brasilia e acho que poderia morar aí sem problema. A paisagem aberta, com bastante vista para o horizonte, é uma coisa que eu gosto muito. Mas as pessoas são bastante radicais sobre Brasília, normalmente é ame ou odeie.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, e Brasília tem ótimas atrações turísticas e passeios guiados pelo congresso, itamaraty, palácio da justiça e outros. Recomendo todos. São ótimos e gratuitos!

      Excluir
  5. Olha, vou dizer que sinto saudades das mesmas coisas. Adorava trabalhar na Esplanada, e eu tinha uma vista linda da praça dos 3 poderes e da bandeira nacional. Mas sinto saudades, sobretudo, das arvores e do verde. Onde estou agora soh tem areia. Vermelho e amarelo pra todo lado, nem um verdinho. Quase chorei quando fui pra casa em setembro e vi meu matagal querido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carol, mas aí onde vc está tem mar :D

      Excluir
  6. Melhor descrição de Brasília! :) Será que vale tanto a pena ter trânsito bom e tanta gente antipática? Sei não, prefiro o caos de BH com o sorriso das pessoas do que a tranquilidade de BSB e a sua velha falta de simpatia! :)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...