Menu

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Estudar no exterior: escolher o curso e fazer a inscrição

Escolhi a Aliança Francesa para estudar francês em Estrasburgo porque:

1) o site deles tem todas as informações sobre cursos e preços;

2) estudei 3 semestres na Aliança Francesa de Brasília e gostei (principalmente da mediateca. Mas não existe nenhuma ligação direta entre as Alianças e eu não pude, por exemplo, pular o teste classificatório pra saber em que nível eu ia me encaixar).

3) a irmã D. já estudou na AF de Paris e aprovou.

A AF de Estrasburgo abre turmas novas de todos os níveis em todo começo de mês. AFs em algumas cidades grandes, como Paris, abrem turmas novas toda semana.


segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Nosso passeio pelas ilhas gregas

Aproveitamos nosso tempo em Atenas para fazer um passeio de dia inteiro por três ilhas gregas: um mini-cruzeiro em Hydra, Poros e Aegina.

Desta vez compramos o passeio em vez de ir por conta própria. Depois de pesquisar a concorrência, fechamos com a Adriano's Travel, localizada bem no centrinho de Atenas, na praça do metrô Monastiraki (rua Pandrossou). O preço foi excelente: 79 euros por pessoa. O atendimento, um dos piores que tivemos no ano. Deve ser porque era domingo e convenhamos, trabalhar domingo em Atenas é castigo.

Optamos pelo passeio pronto porque só a balsa para ir e voltar de Hydra custa 50 euros. No cruzeiro, tivemos o transfer de ida e volta do centro da cidade para o porto, transporte às três ilhas, show de música e dança grega e um almoço bem farto e muito gostoso. O barco era confortável e a tripulação, super atenciosa.

7:40 em ponto fomos pegos em um hotel do centro. É, não rolava transfer da nossa casinha. Mas tudo bem. A gente tinha o passe semanal de transporte e ir para o hotel onde fomos pego era facílimo.

Por sorte, depois da gente só mais um casal foi pego. Rapidamente o ônibus chegou no porto, antes do trânsito ficar totalmente caótico.

O ônibus do transfer. 

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Estudar no exterior: 1 mês em Estrasburgo aprendendo francês

Como já falamos por aqui, um dos meus (muitos) sonhos é estudar francês na Sorbonne, em Paris. Só que o Leo me convenceu que Paris é muito linda - e muito cara - para passar metade do tempo dentro da sala de aula.

Resultado: passamos abril em Paris sem compromissos estudantis. Ficamos passeando, curtindo os parques, visitando museus, experimentando tudo que tivesse sabor de caramel au beurre salé (de Danette a sorvete a macaron) e tomando vinho nacional. Eu matei um pouco a vontade de aprender ficando sócia da rede de bibliotecas de Paris e lendo um monte de livros e revistas en français (Le Nouvel Observateur é de esquerda, Le Figaro é de direita, a Marie Claire é muito mais politizada que a brasileira).

Foi ótimo, e meu francês melhorou, mas não tirei da cabeça a ideia de ter umas aulinhas. A dúvida era quando e onde.

O quando foi fácil: em novembro, quando as temperaturas caem e grande parte da Europa fica menos "viajável" (continua sendo bom, mas os dias curtos e a possibilidade de neve dificultam um pouco a vida do freguês). O onde foi resolvido depois que a gente conheceu Estrasburgo. A cidade tem Alliance Française, com cursos começando a cada início de mês. Aí descobrimos um apê mobiliado por um valor módico e pronto, partiu Estrasburgo.

Não dá vontade de morder, quer dizer, morar?

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Como chegar a Éfesos: indo do aeroporto de Izmir para Selçuk

Se você quer conhecer Éfesos, uma cidade greco-romano muito bem preservada (dizem que só perde pra Pompeia), tem de escolher uma das várias cidade da região como base.

A gente escolheu Selçuk, a mais próxima (tão próxima que dá pra ir a pé).

Pra chegar a Selçuk tem de fazer baldeação. Nós pegamos um voo de Kayseri, na Capadócia, para Izmir, no Egeu. Dali pra Selçuk são mais 70 km de estrada.

O nosso hotel oferecia transfer por 40 euros, mas dessa vez descobrimos que dava pra usar transporte público. Foi um pouco complicado, por causa da falta de informação em inglês na estação de trem, mas chegamos direitinho, e quem ler este post também vai chegar.

Chegando ao aeroporto de Kayseri, siga as placas que indicam a estação do metrô. É, na estação passam metrô E trem, mas ninguém te conta (eu e o Leo íamos andando e perguntando, e o povo olhava pra gente como se fôssemos doidos. Ou bobos.)

São uns 10 minutos de caminhada por corredores cobertos e escadas rolantes. Seguindo as placas (de metrô) não tem erro.

A placa é essa aí.

sábado, 19 de outubro de 2013

Cães e gatos da Turquia

Quem me conhece sabe que eu não posso ver um cãozinho dando sopa que vou querer brincar com ele. Já gatos, nada contra, mas é que eles raramente querem brincar. 

Na Turquia, o que não faltam nas ruas são cachorros e gatos. E não são animais abandonados e magrelos, não. Todos parecem muito bem cuidados e alimentados. E todos adoram uma atenção. 

Até divindades gostam de carinho. 

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Veneza, ficar na ilha ou em Mestre

Agora que já fiquei em ambos os locais posso dar minha opinião: fique nos dois. 

Ficar em Veneza é muito legal. Não tem comparação. Não ter que chegar à cidade junto com milhares de turistas e poder ficar até muito tarde sem enfrentar o mesmo problema de lotação na hora de ir embora já seriam motivos suficientes para dormir na ilha. Somado a isso, de manhã cedo e no final do dia a cidade fica muito, mas muito mais agradável sem a gente, a horda de visitantes.

Outro fator legal que conta muitos pontos para dormir em Veneza é o fato de você poder ir em casa/hotel/hostel na hora que quiser, descansar e depois voltar para a rua. 

Hotel Arlecchino, onde ficamos em 2011.

A única coisa que pesa contra ficar na ilha é sem dúvida o alto custo envolvido. Sim, hotéis, albergues e apartamentos alugados são muito mais caros em Veneza do que em Mestre.