Menu

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

O Louvre, de novo

Não me canso do Louvre. Canso é de andar dentro dele. Eu e mais quase 10 milhões de visitantes anuais, o que faz do Louvre, se não o maior, o mais visitado museu do mundo.

E olha, não é para menos. O prédio é lindo, as exposições são lindas, tem obras para todos os gostos e épocas e peças muito famosas.

Lógico que não poderíamos deixar minha mãe visitar Paris e não ver a moradora mais famosa do museu, a Mona Lisa. Minha mãe deu boa conta do recado. Além de passear por boa parte da área de pinturas, andou por todo um andar de arte egípcia, encarou a área de esculturas, viu um pouco da parte mesopotâmica e ainda andou pelos aposentos imperiais de Napoleão III.



A Vitória de Samotrácia.



A Mona Lisa, claro.
A Lud na frente da Mona Lisa, em um raro momento em que os outros turistas abriram espaço. 
As Bodas de Caná, do Tintoretto. É um dos maiores quadros do museu (só a Coroação de Napoleão, do Jacques-Louis David, rivaliza com ele).

A Batalha das Termópilas (viram 300 de Esparta? Então.)

Cupido e Psiquê.
A Coroação de Napoleão.
As sabinas (aquelas raptadas pelos romanos) mostram seus bebês para os irmãos que vieram resgatá-las e pedem a paz. 
Endimião, o belo pastor pelo que Diana (representada pela Lua) se apaixonou. 




Cupido e Psiquê de Antonio Canova.

O escravo agonizante de Michelângelo.



O Código de Hamurábi. É dele que veio o "olho por olho, dente por dente". 
O jardim de esculturas. 





O trono de Napoleão I. Ele curtia o estilo romano. 




Espada "dita" de Carlos Magno. 

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Ônibus turístico em Paris

Da primeira vez em que eu estive em Paris, foi com um pacote voo + hospedagem. De quebra, ganhamos um city tour de ônibus turístico, desses que te levam pra conhecer a cidade enquanto você escuta uma gravação explicativa.

Depois descobrimos os ônibus hop on-hop off, que funcionam parecido, mas deixam os passageiros subirem e descerem nas paradas à vontade. Quando começamos a fazer viagens internacionais, achamos que eram uma opção prática e rápida para explorar capitais. Depois ficamos mais espertos e independentes e, com ajuda do Googlemaps, passamos a usar só nossos pés e o transporte público (até na China).

Ângulo elevado e em locais legais.  

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Fotos de Paris no outono

Ah, outono em Paris. Que época linda. Ok, Paris é linda o ano todo, mas cada período do ano tem seu encanto especial.

Fazia mais de um ano que não passávamos por aqui, nossa cidade preferida. A última vez foi mais ou menos na mesma época ano passado, com meus tios e primos, quase duas semanas mais cedo.

Dessa vez achamos a cidade com cara de mais outono. Impressionante como 10 dias fazem muita diferença. As árvores estavam bem mais amareladas e avermelhadas. Fora que pegamos mais tempo de sol agora, no início de outubro, que ano passado na terceira semana de setembro.

Mas achamos a cidade tão cheia quanto. Lógico que não tão cheia como no verão (período que realmente recomendamos evitar, a não ser que você de fato não tenha outra opção). As atrações andavam bem lotadas, principalmente as tradicionais, como o Louvre e a torre Eiffel. Até fila para entrar nas lojas chiques da Champs-Elysées tinha.

As árvores começando a mudar de cor. 
Só deixam Paris ainda mais linda. 
Em frente à Saint Sulpice.
E à Notre Dame.
Tradicional fila no início da manhã para subir na torre. 
As árvores aqui estavam só começando a mudar de cor. 
Tivemos muitos dias de céu azul, o que, confesso, não é muito comum em Paris. 
Mas tivemos nossa cota de tradicionais dias nublados e chuvosos. 

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Catedral de Chartres

Demos adeus ao vale do Loire e fomos de carro para Paris. No caminho, aproveitamos para conhecer a gigantesca e maravilhosa catedral de Chartres.

Ficamos de queixo caído com o tamanho (maior do que a Notre-Dame de Paris!) e a beleza dela. Que só vai aumentar: está rolando uma grande restauração, daquelas que demoraram muitos anos para terminar. Até brincamos que quando nos aposentarmos, daqui a uns 25 anos, vamos voltar para ver se terminou.

Adoramos que ela tenha duas torres de estilos diferentes. Antes eram iguais, mas uma foi atingida por um raio e, ao ser reconstruída, optaram por fazê-la no estilo gótico, que estava na moda.

Como não se impressionar com as estátuas entalhadas nas portas de entradas? Que são 9! 3 de cada lado da igreja. Não sei de qual gostamos mais.

E os vitrais? De fazer inveja em qualquer outra igreja do mundo. Imensos, lindos e muito coloridos. A cor "azul de Chartres", um azul claro e intenso, deve seu nome à Catedral.

Acho que o que mais encantou foi o coro, com 115 metros de extensão, retratando a vida de Cristo. A Notre-Dame de Paris tem um também, mas ele fica no chinelo perto do de Chartres.

Foi um ótimo pit stop no nosso caminho de Paris. Mesmo de carro. foi bem fácil. Existe um estacionamento enorme, pago, bem perto da catedral. Depois, de lá para Paris foi um pulinho. Confesso que ter que entrar dirigindo o carro em Paris para devolvê-lo em um estacionamento praticamente ao lado do Arco do Triunfo foi bem mais tranquilo e menos engarrafado do que eu imaginava.

Paris, estamos de volta. E como a cidade está linda no outono. Mas isso é assunto para os próximos posts.