Menu

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

E depois de uma grande viagem, como é que fica a vida?

Quando eu pesquisava a turma que saía viajando pelo mundo, prestava uma atenção especial no que eles falavam a respeito da volta. E o povo dizia:

- que dá a maior tristeza;

- que sentem a maior falta de de viajar;

- que as pessoas que ficaram não entendem o que eles estão sentindo.

Além disso, alguns:

- estavam completamente sem grana;



- tiveram dificuldade em arrumar emprego de novo;

- não se adaptaram de jeito nenhum à rotina.

Faz sentido - Todas essas reações e problemas me pareceram muito razoáveis. De fato, quando a gente viaja por períodos prolongados, vive em um mundo paralelo onde não há conflitos com a família, prazos a cumprir no trabalho ou engarrafamentos frequentes. Dificuldades acontecem, mas a consciência de que muitos meses de viagem são um baita privilégio é maior que qualquer cartão engolido ou porta trancada por dentro. Então, voltar ao dia a dia anterior é de fato complicado.

Dá para se preparar - Algumas chateações a gente se planejou para evitar: deixamos um tanto de dinheiro guardado para recomeçarmos a vida. Guardamos um enxoval-cápsula para montar casa de novo. E eu consegui uma licença, então pelo menos um de nós estaria empregado na volta (confesso: se não me liberassem, não sei se eu teria coragem de pedir demissão, não.).

Reentrada suave - Outra vantagem é que, em vez de voltar direto para o batente, nos instalamos na casa dos meus pais (com um quarto só para nós!) durante um tempo. Então, fizemos uma reentrada suave, com direito a muitas visitas aos amigos e à família, tempo para editar fotos e textos do blog e planejar a nova fase da vida.

Sem falar que demoramos para encerrar o sabático: a gente veio para Belo Horizonte achando que ia ficar um pouco por aqui (só até o concurso do Leo), e depois sair viajando pela América Latina. No entanto, o edital demorou a sair, o dólar e o euro dispararam e a gente se convenceu que, depois que a pessoa começa a estudar, é melhor não interromper.

Quer um conselho? Em suma: se alguém nos perguntasse como deve se preparar para a volta, a gente recomendaria

1) deixar uma grana separada, para não recomeçar do zero. Se planeja procurar trabalho, esse dinheiro deve dar para você se manter durante alguns meses, para a busca pelo novo emprego não virar aquele desespero.

Outra possibilidade é combinar com os pais, irmãos ou amigos uma forcinha: você fica na casa deles enquanto se reorganiza. Mas acerte com eles o tempo de permanência antes de se instalar. E, obviamente, contribua com as tarefas domésticas e se ofereça para ajudar nas despesas.

2) ter um objetivo pós-sabático. Não precisa ser nada muito ambicioso, não - é só para você não ficar se sentindo totalmente perdido na volta. O do Leo foi estudar para concursos. O meu foi reforçar os laços familiares e de amizade.

3) se puder, não voltar à rotina imediatamente. Passar um tempinho se reconectando com a família, os amigos e o Brasil é muito bom, principalmente se você trabalha em uma cidade diferente e não encontra a turma com frequência. Afinal, você esteve longe por muito tempo.

De balão, mas por mais de 80 dias. 

4 comentários:

  1. E eu gostei MUITO de ter vcs mais por perto de novo ;P

    ResponderExcluir
  2. Eu tambem gostei muito do retorno,a saudade ja estava muito grande e voces sao muito queridos e especiais .
    Saber que logo logo voces vao embora novamente da uma pontadinha de saudades antecipadas
    Serao sempre muito,muito bem vindos amores

    ResponderExcluir
  3. Gostei tanto desse post. Tão útil pra mim ;)

    ResponderExcluir
  4. Os conselhos para a volta achei super úteis, mas o sentimento na volta deve ser um choque inverso, um susto com tudo, não? positivo e negativamente. Não sei se já falaram sobre as novas impressões do país na volta, se não, que tal???

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...