Menu

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Primeiro mês de casa nova em Brasília

Como já falamos, arrumamos um local para morar super rápido. O que não foi rápido foi a nossa mudança.

Ontem completamos um mês no novo lar. Em um mês, muita coisa aconteceu. Compramos uma cama, uma mesa com quadro cadeiras e um sofá. Colocamos telas mosquiteiras em duas janelas da sala, uma em cado quarto, uma na área de serviço e duas no banheiro. 

Refeições por enquanto tem que ser super simples: mal temos copos, pratos e talheres. Fora que panela mesmo é uma só. Além dela, uma frigideira. 
Enfrentamos uma super infiltração na cozinha e na área. Um cano da caixa d'água estourou e pingou muito dentro do apartamento. Lógico que isso foi em um sábado. Detalhe que só na segunda é que o pessoal do condomínio fez algo. Ou melhor, ainda estão fazendo. Até hoje está pingando em alguns lugares. O dono do apartamento disse que assim que consertarem tudo e o teto secar, o condomínio vai pagar a nova pintura do teto. 

Isso para minha infelicidade. Logo depois que mudamos, na primeira semana, o dono arrumou um pintor para pintar algumas paredes. A sujeira que fez na casa foi impressionante. Só não ficamos muito chateados porque nenhum móvel da casa era nosso. 

Mas agora temos uma nova cama, uma linda mesa e um maravilhoso sofá. E não queremos que eles fiquem sujos para sempre do pó branco de parede lixada. Sério, até hoje estamos tirando pó da pintura do mês passado. E olha que pouca coisa foi pintada e lixada. Na cozinha e a área, vão ter que lixar tudo.

Cama nova. Se a primeira durou de 2001 a 2012, essa tem que durar até 2025!
E mês novo, novidades pela frente. Depois de muito enrolar, os novos armários do apartamento estão sendo instalados hoje. O do nosso quarto foi instalado há 3 semanas. Ficou faltando a moldura dele. Só hoje voltaram para terminar. Além disso, mais 4 armários pequenos estão sendo instalados. Um em cima da geladeira, um para tampar o local onde fica o botijão de gás, um debaixo da pia do banheiro e o último debaixo da pia da área de serviço. 

Esses armários e a pintura eram para serem feitos antes de mudarmos. Mas estávamos com pressa em nos instalar, então combinamos com o dono que não teria problema. Só não sabíamos que o prazo para ficar pronto seria tão longo. 

Pelo menos parece que tudo ficará pronto antes da nossa mudança chegar. Sim, ainda não temos nossas coisas. Estão quase todas em BH, com exceção das coisas que trouxemos na mala com a gente. Na teoria, o aproveitamento de mudança será nesta semana. Será que passaremos o fim de semana prolongado finalmente com quase tudo ponto?

Armário sem a moldura. Ficou assim por mais de 3 semanas. 
E agora finalmente pronto. 

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Um mês sem carro

Além de completarmos um mês de retorno a vida normal aqui em Brasília, completamos um mês sem carro. E olha, que faz um pouco de falta. Mas estamos conseguindo viver muito bem sem ele.

A Lud está indo e voltando de ônibus para o trabalho. Já aprendeu os horários e não gasta mais do que 30 minutos para fazer todo o trajeto: sair de casa, descer os 3 andares de escada, andar os 200 metros até o ponto de ônibus, rodar de ônibus exatos 6 quilômetros e 300 metros, andar 100 metros ate a porto do trabalho, pegar o elevador, andar todo o corredor e chegar na sala dela. Nada mal, né?

Também estamos nos virando bem com as compras. Temos um supermercado que fica a mais ou menos 600 metros de casa. A falta do carro só atrapalha em relação à quantidade de compras. Realmente não dá para trazer para casa de uma vez só vários quilos de comida e muito litros de bebida. Mas, como nossos armários de cozinha são pequenos, é até bom: não estamos estocando quase nada. A maioria das coisas que comemos é em fresca. Fora que ir e voltar quase todo dia no supermercado a pé, e encarar os 3 lances de escadas com as compras, ajuda a ficar saudável.

Lud embarcando no ônibus
Tanto que aqui em Brasília estou conseguindo emagrecer novamente. Durante todo o sabático perdi um ótimo peso. Que foi recuperado com acréscimos em BH. Tá certo que um pouco recuperei em Paris e Lisboa. Na verdade foi só decidirmos que era hora de voltar que comecei a ganhar peso. Entretanto, 1 mês em Brasília sem carro e tendo onde caminhar já me fez perder todo o peso adquirido no Brasil em 6 meses.

Além do supermercado perto, já fomos 5 vezes a outros mais longe. E novamente a pé. Um a 1.500 metros, outro a 1.900 metros e o mais longe a  2,3 quilômetros. Esse acaba dando quase 5 quilômetros para ir e voltar.

Duas vezes pegamos um ônibus para ir a supermercados mais distantes. Uma vez fomos no final da Asa Norte; outra, até a Leroy Merlin que fica depois da Asa Sul. E como fomos em horários fora do pico, foi rápido e tranquilo.

Fora isso temos um ótimo sacolão perto de casa, várias opções de comida a quilo e inúmeras padarias e farmácias. Tudo nas comerciais entre as quadras 408 e 409, 209 e 210, e entre 410 e 411. Todas são muito perto de casa.

Também aprendemos que na entrada das quadras 411 e 412 tem uma lanchonete com um cachorro-quente delicioso. E por um ótimo preço. Já fomos 3 vezes lá, e sempre a pé. Resumindo, estamos nos virando bem sem carro.

Só usamos táxi 3 vezes no mês passado. Uma para ir e voltar ao shopping, durante nosso primeiro fim-de-semana por aqui, para comprar um climatizador de ar. Sim, chegamos na época mais quente e seca do ano. Pelo menos já tivemos uns bons 5 ou mais dias de muito chuva para amenizar a secura e o calor. A outra vez foi uma noite que a Lud precisou ficar até de noite no serviço.

56 reais de táxi e 132 de ônibus/metrô foram todos os custos com transporte no primeiro mês morando por aqui. Vamos ver se, na hora que começar a chover mais, sentiremos falta. Por enquanto, diria que o saldo é só positivo. Tanto financeiramente como em qualidade de vida e de saúde.


Andar por caminhos agradáveis e plano ajuda e muito.