Menu

sábado, 23 de abril de 2016

A verdade sobre a vida pós-sabático

Aqui é o Leo. Confesso que estou tendo uma dificuldade enorme de me readaptar a vida normal. As coisas não fazem muito sentido para mim. Trabalhar de segunda à sexta, de 8:00 às 17:00... E olha que nem posso reclamar muito. Tenho um emprego que paga absurdamente bem para os padrões brasileiros. E a carga horário é para lá de tranquila: 8 horas por dia com uma hora de almoço.

Nem a lindeza da região que moramos em Brasília está me ajudando a ser feliz.
Continue lendo o post logo abaixo.
-------------------------------

Coletânea de livros está crescendo. Já temos dois à venda! Clique na figura para comprar: 

Livro 1
Livro 2























------------------------
(continuação do post) 

Tá certo que o serviço é chato demais. Mas aí a culpa é minha que não gosto dele. Tem gente que faz basicamente a mesma coisa e adora. Fora que é muito tranquilo. O ambiente de trabalho é excelente, a infraestrutura melhor ainda e o local onde trabalho super fácil de ir e voltar. São só 8 minutos dentro do ônibus e em sentido contrário ao fluxo normal do trânsito de Brasília. Ou seja, sempre vazio. Ah, e tem o detalhe que eu tenho um emprego né? Tem gente correndo atrás e não consegue.

Fora que sei que tem trabalhos muito piores. Já imaginou trabalhos braçais, no sol de Brasília, ganhando uma ninharia? E também penso muito no meu "merecimento" de ter o trabalho que hoje tenho. Afinal, tive uma ótima infância, em que meus pais me deram do bom e do melhor, de comida a brinquedos, de amor a educação. Minha única obrigação era ir à aula e aprender. E meus pais nem eram muito exigentes. Pelo contrário, em retrospectiva acho que foram até permissivos demais (não tem jeito né, filho nunca está satisfeito com os pais).

Sim, ando super emburrado. Além de achar o trabalho chato, acho que as pessoas dão valor demais a coisas bobas. No trabalho, os colegas se afligem diante de qualquer inconveniente, e muita gente com que convivo só quer saber de consumir e reclamar que não tem dinheiro pra nada.

Bom, e aqui estou eu hoje. Trabalhando em algo que não gosto para juntar dinheiro. Na teoria o dinheiro serviria para comprar lindos e coloridos produtos novos que me encheriam de felicidade. Mas eu não quero nada disso! Parafraseando um dos personagens do ótimo filme Monthy Python e o Cálice Sagrado: "Mas eu não quero todas essas cousas! Eu só quero... cantar!".  Ou seja, por enquanto me irrito durante 9 ou 10 horas diárias da minha preciosa vida para juntar dinheiro que espero que seja útil em algum momento do futuro. Afinal, uma hora devo precisar, né? Posso querer algo bonito, novo e brilhante. Nem que seja, sei lá, um tratamento médico caríssimo.

Sim, o sabático me estragou. Acho que as pessoas se importam muito com o que para mim não importam mais. Não estou pregando que sou um ser superior e iluminado, viu? Pelo contrário. Eu é que estou destoando da massa. Logo, o errado sou eu. E não sei o que fazer. Até tento me encaixar, mudar ou colocar uma máscara para viver quase 12 horas do meu dia. Mas confesso que é difícil. O pior é que cada dia que passa estou achando pior.

Não sei aonde quero chegar neste post. Tanto que vou parar por aqui, perdido tanto nas palavras como na vida. E deixo com vocês uma frase de meu concunhado (não canso de rir toda vez que penso nela): "Se todo mundo fizesse o que gosta, o mundo seria uma bosta". Será que seria mesmo?


Sim, sei que estou reclamando de barriga cheia. 

20 comentários:

  1. eu virei #aloka que trabalha só pra poder viajar (e olha que meu trabalho é incrível, tem bons horários, etc) mas bom mesmo era viajar ou ficar, sem ter que trabalhar

    #instituindoavagabundagem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Lu, que bom que não sou louco sozinho. Obrigado por me entender :D

      Excluir
  2. Ainda bem que não tirarei um sabático. Rsrs! Já acho que as pessoas consomem demais (olha que tb consumo), dão valor a coisas banais e não se preocupam com o todo (com a situação de vida digna de todos). Acho que não saberei nunca o que é viver em situação que seja boa pra todos, dada a inveja que o ser humano tem da situação do outro. A não ser que iniciemos uma sociedade anarco-sindicalista, com as decisões tomadas por um conselho trocado periodicamente, sem um rei ou gestor máximo que sirva para "tomar conts de nós". Ehehehehe! Vou parar pq tô virando anarco-comunista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael, eu acho que nem em uma sociedade utópica. Ser humano é muito complexo. Mas, se eu fizesse parte desse seu conselho... Pedia as contas depois de 1 mês e ia morar no sul da Espanha :D

      Excluir
  3. Poxa, é mesmo complicado isso e lendo seu post me senti privilegiada: amo meu trabalho (sou professora numa uni estadual), ganho bem ou o suficiente pra viver bem, juntar grana e viajar sempre que posso. Mas se te consola e como nem tudo é perfeito, vivo numa cidade do interior do PR que pouco tem pra fazer, apesar da yoga na praça e da piscina da AABB e onde prevalece o universo country (eca!). Minha gana é planejar roteiros de viagem...rs... Poxa, Bsb tem uma vida cultural intensa, dê valor à isso, vai pras cachoeiras do Planalto Central, aproveita o que há de bom aí, para além do trabalho...! Desculpe o tom de conselheira... hehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bela, obrigado pelos conselhos. Mas quando trabalho acaba, ando sem forças nem vontade de fazer nada. Só de ir para casa, ficar com a Lud, tentar curtir o ócio e me recuperar para encarar o próximo dia. Ah, infelizmente, ou felizmente, saber que sua cidade não tem o que fazer não me consola :D

      Excluir
  4. eu te entendo completamente. nunca fiz um sabático, mas tenho essa mesma sensação que você. nem odeio meu trabalho, e trabalho só 6 horas, mas tenho essa mesma sensação que você. acho q se eu fizesse um sabático, eu iria entrar em eterna e profunda depressão na hora da volta. eu tenho duas gatas, e é por elas que não levo adiante a idéia do sabático, o que eu acho que foi o universo conspirando a meu favor quando elas apareceram na minha vida.
    força aí!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vanessa, leva elas com você!!! Vai para a Grécia, Turquia e região. Pessoal adora gatos por lá.

      Excluir
    2. Não rola. Gatos gostam da casa deles. Fora que a idéia é bater perna, ficar na rua. Com duas caixas de gatos não dá :-) Mas não tem sofrimento, não... Amo as bichanas de paixão.

      Excluir
  5. Oi, Leo! Meu nome é Ludmila e eu tb fiz um sabático com meu marido. Mais modesto q o de vcs pq o nosso durou 10 meses, mas a sensação é exatamente a mesma. A inquietação, as saudades, as memórias extremamente vívidas e o não entendimento de muitas coisas. A verdade é que sim, o sabático mudou muito a nossa vida, nossas ambições, nosso jeito de pensar. Voltamos de viagem em janeiro de 2015, com muitas ideias, sonhos e praticamente nada de dinheiro no bolso. Muitos dos nossos planos acabaram ruindo e agora nós realmente resolvemos mudar a nossa vida. Não nos acostumamos com a insegurança que nos ronda e vimos ela chegando bem perto da nossa família. Resolvemos recomeçar... Às vezes o que vc precisa para se reanimar é de um novo plano, uma nova ideia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que coincidência! Concordo com você: se a vida desse jeito não satisfaz, o jeito é pensar em alternativas. Nós também temos um plano B, rs. Quando as coisas estiverem mais certas a gente avisa no blog.
      Beijos e boa sorte com o recomeço! Querendo trocar umas ideias, estamos aí!

      Excluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Leo! Tava comentando com a Lud ontem mesmo que eu também estou assim. E olha que eu não fiz sabático. Eu só estou cada vez achando mais sem sentido trabalhar para ganhar dinheiro e juntar dinheiro para uma possível necessidade futura. Porque eu também não me realizo e nunca me realizei comprando coisas. Não vejo a menor graça. Tenho até um pouco de preguiça de comprar, confesso. Então eu sempre guardo a maior parte do que eu ganho, mas trabalho tanto que nem aproveito direito. Eu queria largar tudo e ficar vivendo de renda, mas não sei se consigo, tenho medo de fazer isso e não ter carreira no futuro, enfim... Um monte de preocupações. Só para dizer que estamos juntos nessa inquietação. Sorte para nós. Abraço forte!

    ResponderExcluir
  8. Oi Leo,

    Eu tenho bem claro para mim que eu só trabalho porque preciso. O meu trabalho é bom, bem remunerado, ambiente razoável. Mas eu só estou lá por causa do salário no final do mês, não é e nunca foi fonte de sentido para a minha vida. Eu guardo algum dinheiro, mas não tenho como deixar de trabalhar e viver de renda. Então não trabalhar não é uma opção.

    Não sou das mais consumistas, mas gosto de um certo conforto, de viajar, e de não ter que me preocupar se vou ter dinheiro para pagar as contas. E preciso de segurança, não lido bem com incerteza.

    Enfim, cada um tem que saber o que é importante para si. Eu jamais venderia tudo para fazer um sabático, como vocês fizeram, porque preciso ter uma casa para onde voltar (aliás, 3 semanas longe de casa já é muito para mim). Mas sei que as minhas escolhas só servem para mim, não servem de régua para ninguém.

    Então é isso, só posso desejar sorte na tua procura.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Lud! Q coisa boa q vcs já tem novos planos! Se quiser bater um papo com a gente, o meu email eh ludinhafreitas@gmail.com. Somos admiradores do blog de vcs e estamos sempre acompanhando... Bjao

    ResponderExcluir
  10. Nossa me identifiquei! Não fiz sabático,mas estou entediada dessa vida trabalha, compra e reclama, os problemas simples se tornam tormentas, planejamento zero e vc tem que dizer que esta extremamente ocupado para ser considerado importante. Que sentido estamos dando as nossas vidas?

    ResponderExcluir
  11. Desde que comecei a ler sobre minimalismo, vida simples, fazer o que se gosta, etc, comecei a não ver sentido em várias coisas. Estamos rodeados de pessoas que só falam em bens materiais, luxos, riquezas, vida de aparência... não que eu não goste de conforto... gosto sim, tenho celular, gosto de banho quente, gosto de viajar,de dormir bem, quero comprar um kindle, quero ter uma boa alimentação, dinheiro para cuidar da saúde (porque, infelizmente neste país o governo não nos ajuda nisso).. mas refletindo sobre a vida que nós levamos, fico me perguntando... então a vida é isso? A vida é só isso? Acordar, trabalhar, comer, comprar, reclamar, se estressar e dormir?

    ResponderExcluir
  12. Nobres, descobri esse blog por um acaso, ano passado passei um mes na Europa, sendo uma semana na Alemanha e três na Italia, se eu já achava a vida aqui no Brasil ruim e sem sentido, ir para a Europa só confirmou o que eu já sabia, estou com planos para no máximo 2 anos estar na Europa se não em definitivo pelo menos morando uns dois anos, adorei a historia de vocês, acho que depois de uma longas ferias, sabáticos, nós faz parar para refletir exatamente o que queremos a vida, ir na contra mão da sociedade consumista é perigoso, somos taxados de loucos, muitos não entendem que as vezes uma casa simples e confortavel, um belo jardim, pessoas educadas, segurança, saude, transporte publico de qualidade, convivencia em familia e melhor que morar me apartamentos de luxo carrisimos, cheios de segurança, carros blindados, rodeados de pessoas mal intencionadas, numa cidade onde a maioria das pessoas não vive nem sobrevivem, simplesmente existem... tantas constatações, tantas dualidades... assim continua a humanidade...

    ResponderExcluir
  13. oiee! fiz um ano sabático também! visitei umas 18 cidades e capitais litoraneas do Brasil, norte, nordeste e centro, porque sou gaucho e moro em Curitiba. Aqui já manjo muito. Enfim conheci Tailandia, India, Espanha, França, UK, Bruxelas. FICO sempre no minimo 7 dias e prefiro centros urbanos e litoral quando há. Hospedagem em Hostel, comida pronta em mercado, conexoes cansativas, tudo pra economizar. Em retornando...ainda após quase dois anos, sonho acordado... preciso ir a Jerusalem por uns 15 dias, Singapura e de lá outros paises asiaticos onde a vida de moradia a alimentacao sao bem mais favoraveis a nossa conversao de moeda. Nao me agrada mais trabalhar, tampouco pagar na europa caro pra apenas viver, alem do clima quente da Asia tambem ajudar. Em 2017 janeiro estou decidido a mais um ano ou 6 meses ficar por lá... contatos massoterapia70@hotmail.com Porque a vida é muito curta pra viver enjaulado.

    ResponderExcluir
  14. ps. nesse tempo terminei um MBA em gestao de pessoas pra dizer que isso que me manteve preso rsrs, senao...já tinha voado.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...