Menu

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Central do Textão

Como bons mineiros, somos desconfiados. Como bons introvertidos, resistimos a projetos coletivos e aglomerações (estamos até hoje pensando se queremos nos filiar a alguma associação de blogueiros de viagem). Mas como foi a Tina Lopes que nos chamou pra fazer parte do Central do Textão, a gente 1) ficou todo pimpão de ter sido convidado e 2) topou, porque a gente é quietinho mas não é bobo.

É um monte de gente legal escrevendo um monte de coisa legal sobre um monte de temas legais. É um jeito de fugir do Facebook e das curtidas e das hashtags. É uma maneira de recriar um tempo em que as pessoas escreviam seus blogs sem pretensões (inclusive financeiras). Vai lá!

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Daqui pra frente

O Leo andou chateado e aproveitou para escrever uns posts-desabafo. Agora as coisas no trabalho e na dentista melhoraram, o resultado do concurso saiu, e ele está feliz de novo. A verdade é que não existe estado de perfeita satisfação, né? Eu achava que, depois de sair viajando, ia voltar uma pessoa totalmente realizada. Rá rá. Lego engano. 

Dito isso, não queríamos deixar a impressão que, depois de um sabático, a pessoa fica infeliz e desajustada pra sempre. Não fica. A não ser que ela se resigne a voltar para a vida antiga, e encare o período de viagens com uma janela de oportunidade que jamais se repetirá. (Ou talvez nem assim: o ser humano se acostuma com tudo, então é provável que depois de um tempo ela volte a sorrir.)

A gente não voltou para a vida antiga. Voltamos para uma vida mais simples e menos estressante. Voltamos tendo certeza que queremos mais mudanças e mais aventuras. Voltamos decididos a viver com conforto - não com luxo - e a guardar dinheiro para financiar um certo grau de liberdade. 

Novos horizontes.



quarta-feira, 11 de maio de 2016

Final feliz: Lud & Leo pelo mundo, segunda etapa!

Tem coisas que mudam a gente pra sempre. Uma delas é sair viajando. Aposto que existem pessoas que voltam alegremente para suas vidas de antes, confortáveis e tranquilas, mas não é com todo mundo que isso acontece. 

Com a gente não foi. 

Aí, plano B, né.

Itamaraty, novo lugar de trabalho!

Continue lendo o post logo abaixo.
------------------------------

A coletânea de livros está crescendo. Já temos dois à venda! Clique na figura para comprar: 

Livro 1
Livro 2




















-----------------------------------
(continuação do post)

Final feliz: Lud & Leo pelo mundo, segunda etapa! 

Pesquisamos, discutimos, arrancamos os cabelos, conversamos com um monte de gente que mora e trabalha fora e concluímos que, pra gente, a melhor solução, o melhor custo/benefício, a melhor mistura de aventura e segurança seria um de nós, ou ambos, se tornar Oficial de Chancelaria, um cargo do Serviço Exterior Brasileiro.

Detalhe: para ser Oficial de Chancelaria é necessário ser aprovado em um concurso que não acontecia desde 2008. 

Mas uma hora ele ia acontecer de novo, né? E aconteceu, no momento certo: o edital saiu dois meses depois de a gente ter voltado para Brasília e, portanto, organizado nossa vida direitinho. 

Hoje, depois de várias etapas, resultados parciais, curso de formação, choro e ranger de dentes, saiu o resultado final: passei! Estamos superfelizes.

Isso quer dizer que vamos morar fora, só que, dessa vez, com salário. Isso quer dizer que vamos passar até 10 anos no exterior, em três países diferentes, antes de voltar para o Brasil (para ficar dois anos, e então o ciclo começa de novo). Isso que dizer que uma vez pelo mundo, sempre pelo mundo!

Visitas serão bem-vindas.

* * *

Atualização do Leo: a Lud não só passou, ela passou em segundo lugar.  Parabéns, meu amor!

sábado, 7 de maio de 2016

5 bons hábitos que adquirimos no sabático

1) Limpar a própria casa, cuidar da própria roupa: tanto o Leo e eu fomos aqueles filhos mimados que nunca se ocuparam dos serviços domésticos. Quando saímos da casa de nossos pais, contratamos uma diarista. Viajando, a gente teve de se virar. Aprendi que é um trabalho chato, pesado e repetitivo. Hoje, valorizo quem faz, recebendo para isso ou não.

Desde que voltamos, e tendo escolhido um apartamento pequeno, somos nós mesmos que cuidamos da limpeza (o Leo mais que eu, confesso). Não vou dizer que fica uma maravilha, mas fica razoável, e a gente se sente autônomo e responsável.

Pensamos em decorar a casa assim, mas ia dar muito trabalho tirar a poeira do lustre.

terça-feira, 3 de maio de 2016

A verdade sobre a vida pós-sabático parte III

Por diversas razões (que serão devidamente esclarecidas no momento certo), meu suplício atual tem data para acabar: daqui a dois anos. Só que isso complica um pouco as coisas. O que fazer até a data D chegar? Largar tudo para investir em outra carreira? Afinal, daqui a dois anos essa nova carreira será colocada em pausa. Estudar para outros concursos? Convenhamos que as opções são limitadas.

Mais um ótimo Gurulino que encontrei no caminho de casa.